Nos dias que correm, esta é uma pergunta feita recorrentemente.

Não só porque o sushi está na moda, mas porque há realmente muitos adeptos deste tipo de comida (guilty as charged!).

A resposta abreviada à pergunta anterior é… depende!

Mas vamos perceber então porque há problema em comer sushi, ou antes, peixe cru, na gravidez.

O problema do sushi

Ora o sushi é mais do que peixe cru… ou seja, a grávida pode comer sushi sem problema nenhum, desde que não tenha peixe cru e que a sua confeção não seja contaminada pela manipulação prévia de peixe cru… não adianta não comer sashimi se depois de preparar um “freestyle para a mesa 3”, o sushiman não trocar ou limpar o material e a bancada onde preparou o peixe antes.

Durante a gravidez devemos comer alimentos de origem animal bem cozinhados. A ideia é diminuir o risco de contaminação alimentar com bactérias, vírus e parasitas. A gravidez não é doença, mas é um estado que impõe alguns cuidados para não corrermos o risco de vir a ter problemas que possam pôr a nossa saúde em risco além da do nosso bébé. 

De entre os problemas dos alimentos mal cozinhados ou crus, em relação ao sushi, temos o problema com algumas bactérias, como a Listeria,  e com parasitas da família Anisakis. Este tipo de parasitas são frequentemente encontrados nos peixes do mar e se ingeridos por nós, podem levar a uma doença invasiva, inclusive com risco de morte em casos extremos. Estes parasitas são, no entanto, facilmente eliminados pela congelação do peixe primeiramente ao seu consumo e pelo calor da cozedura. De referir que o risco de contaminação com toxoplasmose através do sushi é baixo, dado que este não é um parasita que exista no peixe; ele só ocorrerá neste, se o mesmo estiver em contacto com água ou alimentos contaminados. Não esquecer contudo, que o sushi de fusão a que estamos habituados contém vários alimentos com risco de contaminação por toxoplasmose (morangos, alface ou outras verduras e frutas). Portanto, escolher restaurantes de qualidade e saber de antemão o modo de preparação e acondicionamento do peixe e dos legumes e frutas, pode permitir a ingestão de sushi sem riscos. De qualquer modo, a informação a reter é que mais vale prevenir do que remediar.

Ainda assim, há outros problemas que se colocam de forma transversal com a ingestão de peixe, mas que na gravidez assumem ainda maior importância. Peixes como o atum ou peixe-espada, são ricos em mercúrio que se acumula no seu tecido adiposo, por absorção da sua forma mais tóxica a partir das suas presas (o metilmercúrio). Este elemento pode provocar alterações graves no desenvolvimento cerebral dos fetos pelo que a sua ingestão deve ser minimizada e controlada ao longo da gravidez por forma a não atingir níveis tóxicos deste elemento no nosso organismo e consequentemente no nosso bébé.

A solução para o sushi

Felizmente o problema do sushi tem algumas soluções, ou melhor, algumas opções que podem ser feitas. A mais óbvia é perguntar e pedir que no restaurante utilizem apenas peixe com congelação prévia. Apesar de na cozinha japonesa não haver o hábito de congelar o peixe, por risco de alteração da sua textura e paladar, em Portugal a coisaj á não é bem assim, sendo frequente o uso de peixe congelado e ultracongelado.

Há já vários restaurantes a proporcionar menus de sushi seguros para grávidas, onde usam apenas peixe congelado previamente, e onde fazem a desinfeção adequada dos legumes e frutas, além dos respetivos locais de manipulação de comida e dos respetivos utensílios, por forma a que não haja contaminação derivada da manipulação e preparação de outros alimentos crus. 

Assim, a regra básica é a de dar preferência a restaurantes de qualidade para que haja alguma garantia de que a fruta e as verduras utilizadas na confeção são convenientemente lavadas e preparadas, preferir peças com peixe congelado ou cozinhado; no caso do sushi conter marisco (camarão, vieiras, etc.), este deve ser sempre cozinhado e nunca cru, mesmo que previamente congelado já que estes alimentos comportam um risco de contaminação diferente para a grávida. Cumprindo estes pressupostos, não há porque restringir o sushi da dieta habitual da grávida. Mas, ainda assim, para o risco ser zero, só mesmo não comendo nenhum peixe cru… e o sushi não é só peixe cru.

Espero que a informação vos tenha sido útil.

Até breve,

Brenda Domingues, Mãe de dois Príncipes e Médica de Família

Comments

Leave a Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.