Porque é que muitas grávidas não podem comer saladas? | Consultório Médico

written by The Cute Mommy 2 Setembro, 2016

Ora bem, não é que não possam… as grávidas não imunes à toxoplasmose devem é comer as verduras da salada depois de muito bem lavadas, de preferência “amukinadas” ou, como antigamente (e como eu própria fiz nas minhas gravidezes e costumo recomendar), depois de terem estado de “molho” em água com vinagre (bastam 5 minutos).

A deteção da imunidade à toxoplasmose é feita sempre a todas as mulheres que desejam engravidar (na consulta pré-concecional) e posteriormente em todos os trimestres da gravidez caso a grávida seja não imune ao parasita (o que significa que nunca teve infeção e por isso está em risco de a poder contrair).

Apesar de ter o hábito de explicar estes cuidados e dar informação sobre a doença nas minhas consultas, tenho muitas vezes a sensação de que a perceção da mensagem nem sempre é clara e daí a escolha deste tema este mês.

 

Mas afinal o que é mesmo a Toxoplasmose?

É uma doença provocada por um parasita unicelular chamado Toxoplasma gondii. Este é um parasita ubiquitário na natureza e como tal a infeção por ele é relativamente frequente na população em geral. Felizmente a infeção não tem geralmente gravidade porque as nossas defesas são capazes de a eliminar, sendo considerada uma doença benigna e autolimitada. Quando sintomática, a sensação é de se ter uma “virose” ou síndrome gripal um pouco mais prolongado no tempo que o habitual. A exceção, como já deu para perceber, são as mulheres grávidas. Não é que a infeção seja muito diferente na mulher grávida e não vai fazer mal à mãe, mas vai passar através da placenta para o bebé e fazer das suas.

 

E como se transmite este parasita?

A sua transmissão não é feita pessoa-a-pessoa, exceto no caso da transmissão mãe-filho (transmissão vertical que provoca uma infeção congénita) e nas transfusões de sangue ou transplantes de órgão. As três vias de contaminação habituais são através de alimentos contaminados, transmissão animal-homem (gatos!) e a já falada transmissão mãe-filho.

No caso dos alimentos contaminados, eles têm de ser ingeridos em cru ou “mal passados”, e aqui chamo especial atenção para o porco, o cordeiro e o veado embora os cuidados a ter se estendam a qualquer tipo de carne.

toxoplasmose

A ingestão do parasita também pode ser acidental após a manipulação pela grávida de carne contaminada sem que depois lavado adequadamente as mãos. O mesmo se aplica à contaminação de carne através de utensílios de cozinha ou louça que se tenha usado para preparar alimentos contaminados e que depois não foram bem lavados.

toxoplasmose

A ingestão de água contaminada também é uma possibilidade descrita e o leite não pasteurizado também.

A outra forma que de contaminação que ainda pode ocorrer é a ingestão acidental do parasita após contacto com fezes de gato contaminadas – isto pode acontecer aquando da limpeza da liteira do gato de estimação lá de casa. O mesmo se aplica na jardinagem se existirem parasitas na terra.

toxoplasmose

A melhor forma de evitar a infeção é com prevenção

E esta é simples, tão simples que felizmente hoje são raros os casos de toxoplasmose congénita.

Assim a mulher grávida não imune à toxoplasmose (ou seja, que nunca teve a doença) deve:

Cozinhar bem todos os alimentos, especialmente a carne e os legumes – comer carne sempre bem passada;

– Caso não se cozinhem os legumes e no caso de fruta que se coma com casca ou que não tenham naturalmente casca (tomate, morangos, uvas, por exemplo), estes devem ser muito bem lavados, idealmente “amukinados” ou deixados por alguns minutos em água com vinagre;

– Em alternativa, a congelação dos alimentos a -20ºC durante 3 dias é também uma possibilidade de eliminar o parasita dos alimentos;

– Lavar sempre bem a louça e os utensílios de cozinha após a manipulação de alimentos e após as refeições;

Evitar levar as mãos aos olhos ou à boca quando se prepara a carne crua;

– Lavar sempre as mãos após o manuseamento de qualquer alimento cru;

Evitar produtos lácteos não pasteurizados;

– Usar luvas ao fazer jardinagem e lavar sempre as mãos após o contacto com o solo ou areia;

– Evitar contacto com gatos;

Limpar diariamente a liteira dos gatos (há uma janela de 1 a 5 dias desde que o parasita é expelido nas fezes do gato e a sua capacidade para infetar);

– Usar luvas sempre que manusear a liteira dos gatos, lavando sempre as mãos com sabão e água morna após a limpeza da caixa (idealmente deverá ser outra pessoa a fazer este trabalho) – ;

– Usar água a ferver para desinfetar a liteira ou outros objetos dos
 gatos;

– Depois de limpar a caixa, colocar a areia num saco fechado;

– Evitar alimentar os gatos com carnes cruas.

Assim, se está grávida e não é imune à toxoplasmose, desfrute deste período da sua vida cumprindo estas medidas simples. Mas não esquecer que em caso de febre, dores musculares ou gânglios dolorosos na região do pescoço deve recorrer ao médico assistente para ser avaliada. Não nos podemos esquecer que esta é uma infeção grave para o bebé durante a gravidez e nos primeiros meses de vida – ela provoca malformações graves, tão mais graves quanto mais cedo na gestação a mãe tiver a toxoplasmose (abortamento, nado-morto, encefalite grave com sequelas e/ou lesões graves dos olhos).

Espero que esta informação vos tenha sido útil.

Até breve,

Brenda Domingues, Mãe de dois Príncipes e Médica de Família.

Imagens retiradas do Google

Comments

You may also like

Leave a Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.